Devaneio breve sobre a siririca original

Pintei as unhas de café com rebu. E súbito vejo tudo. O movimento dos meus dedos, em plena siririca, é o movimento de uma mulher. Ajusto o espelho. Que coisa. Eu. Logo eu, que me imagino livre, eu sou aquela uma que toca siririca com movimentos de mulher. São plumas as minhas mãos, há dança nos meus dedos, nos meus quadris. Que horror. Onde diabos aprendi isso? Tá certo que o sexo nunca foi território liberto. Mas eu, aqui, comigo, sozinha, com os dedos lambuzados, eu não deveria estar longe da siririca feita com dedinhos de mulher? Era pra eu ser um corpo, só um corpo, cacete, tocando uma siririca original, ué. A siririca que está antes de tudo, a siririca que está antes da palavra, a siririca que está antes da mulher, a siririca que o corpo exige porque é corpo, porque tem buceta. Existe isso, esse tipo de siririca? Pois eu quero uma pra mim. Urgente. Isto é principal. Urgente também é tirar logo esse esmalte das unhas. São cascos pintados, percebe? São cascos, gente, as nossas unhas. Excesso de realidade. Este é que é o caso.

1 comentário

Arquivado em Calcinha branca

Uma resposta para “Devaneio breve sobre a siririca original

  1. Marina Andrade

    ai…molhei

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s