Arquivo da categoria: Hetera Irene

Caderno de Campo: Hetera Irene (III)

*****

Hetera Irene, essa dama erótica, é uma fonte inesgotável de histórias. A maioria de suas  narrativas versam quase que exclusivamente sobre os modos e os jogos envolvidos nos variados prazeres carnais. Algumas histórias no entanto, são especiais. Isto porque além de conteúdo erótico, elas tratam também – através de algumas alegorias e personagens míticos – de um certo conteúdo moral. Tratam-se das Fábulas de Hetera Irene. Embora se passem em cenários comuns, essas são narrativas recheadas de deuses e exotismo. Pontuadas por sincretismo e bom humor, trazem sempre um conselho útil ao ouvinte.  Apresento abaixo, em primeira mão, uma dessas histórias. Paradoxalmente – uau! – é tudo verdade.
*****
Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Hetera Irene

Caderno de Campo: Hetera Irene (II)

*****

Hetera Irene é um espírito livre. Este fato, aliado aos seus incríveis cachos negros e sua aguda percepção, tem feito dela uma espécie de guru pornô, de deusa devassa. Todos silenciam para ouvir suas histórias e são dela as  declarações mais lapidares dos jogos libidinosos cotidianos. A cantada irretocável “vai ser bonit@ assim lá na minha cama”, que todos andam repetindo por aí, é dela. A incestuosa variação “vai ser bonit@ assim lá na minha família” também é dela. Tenho a impressão que é por ser a encarnação desta rara combinação de inteligência e luxúria que o pessoal ultimamente tem ido pedir a ela conselhos sobre a vida, o sexo e a liberdade. Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em Hetera Irene

Caderno de Campo: Hetera Irene (I)

*****

Hetera Irene é inteligente, livre e linda. Faz apenas o que quer, goza sempre que dá, vive grandes aventuras etílicas. Heternamente quererei ver Irene contar suas estórias e dar sua risada. Foi por isso que decidi virar sua cronista. É que ela se recusa a escrever (quer viver o instante). Então tá. Ela conta, eu me deleito, eu registro, pensei. E foi o que combinamos. Tudo dando certo, ela arranca docilmente, um dia, entre um drink e outro, essa pena das minhas mãos. E escreve. Eu, Ágata Benício, esperarei de coque.

Enquanto isso, apresento em primeira mão meu caderno de campo. É tudo verdade.

*****

Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em Hetera Irene