Adeus

“E o que será de uma geração inteira de paulistas que não terá o onanismo no chuveiro como prática sistêmica?(…) Gente que vai pecar em outro lugar . (…) Gente infeliz… Gente Infeliz…”

Fernando G. C. Amaral

Carolina deixou que a água morna escorresse pelas pernas. Era tarde, era urgente. E era preciso estar ali pelo menos mais uma vez. Pela última vez.

Lembrou. Não da descoberta, mas do dia em que apresentou o método a uma amiga. Não eram pequenas, nenhuma delas. Também não eram grandes. Tinham dez anos? Doze anos? Banheiro, coca-cola e dois cigarros: uma ensinando a outra o segredo. É assim, ó. A gente tira esse troço e aperta a mangueirinha até fazer o jato certinho, entendeu? É só isso.
Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Calcinha branca

Três estórias com moral no fim

*aos risos com Hetera Irene e R.M.L.

 

***
Júlio olhou pela vigésima vez seu celular. Estava inspirado, estava pro crime, queria muito. Ia dar naquela noite de lua, de qualquer jeito. Depois de dois whiskys, o aplicativo do seu celular deu o sinal. Ali, no mesmo bar, um bofe estava a fim. Finalmente. Tudo então se deu muito rápido. Marcaram no banheiro, Júlio e o bofe. Correram pro banheiro, Júlio e o bofe. Beijaram-se desesperadamente, Júlio e o bofe. Tudo isso pra descobrir aquela coisa chata: os dois, os dois queriam dar. Continuar lendo

5 Comentários

Arquivado em Calcinha branca

Querido diário*

*com os cumprimentos de R.M.L.

 

Querido diário, sabe o Júnior? Tá aqui, bem na minha frente, andando pra lá e pra cá com a Claudinha pela casa, como se nada tivesse acontecido. Ai, como é bobinha a Claudinha, diário. Três anos mais velha que eu, mas como é bobinha! Não quer dar pros namorados, não quer. Fala que não quer, acha feio. É cheia de ais e ós, fala que não isso, que não aquilo, que chata! Que ridícula. Um dia perde o namorado por causa disso. Eu nunca vou perder um namorado por causa disso, querido diário, não vou. Mamãe apoia ela, fala que é pra ela se guardar. Mas eu não vou fazer isso não, Claudinha que se lixe. Se ela não dá, eu dou. E pronto. Continuar lendo

3 Comentários

Arquivado em Estorinha

Devaneio breve sobre a siririca original

Pintei as unhas de café com rebu. E súbito vejo tudo. O movimento dos meus dedos, em plena siririca, é o movimento de uma mulher. Ajusto o espelho. Que coisa. Eu. Logo eu, que me imagino livre, eu sou aquela uma que toca siririca com movimentos de mulher. Continuar lendo

1 comentário

Arquivado em Calcinha branca

Nota sobre a rotina do cheirador de calcinhas

Dia sim, dia não, às sete horas, o cheirador de calcinhas sai para correr na beira do Lago Paranoá. São quarenta minutos de malhação, medidos pelo suor e pela evolução do trânsito na Ponte do Bragueto. Este homem não gasta mais do que um minuto para escolher uma das calcinhas de sua gaveta. Temos então que por volta das sete e quarenta da manhã o cheirador de calcinhas já estará de volta, sentado em sua cama desfeita. Ele estará suado, de cuecas e terá a face ruborizada. Neste ponto, sua mão direita já estará ocupada com um pau à meia bomba. A esquerda, por sua vez, esta cuidará da calcinha. Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em Calcinha branca

Vinhetas para o divã

Primeira. Minha tia caminha, eu caminho ao seu lado. Os saltos do seu sapato baixo fazem barulho, batem na calçada que sempre se parece com a massa assada de um certo biscoito. O som do salto mostra que ali há carne, e que é preciso deixar o corpo pesar à direita e à esquerda pra que haja passo. O salto suporta, o salto faz ritmo pra música qualquer que sempre ouço por dentro. O som do salto é preciso em compassos inteiros. Mas às vezes há um arrastamento. Da perna, do pé, do passo. Continuar lendo

Deixe um comentário

Arquivado em Calcinha branca

As mina pira

A Nena era a primeira mina com quem a Ana Rosa saía que gostava de dar chupão. Por um acaso qualquer, sei lá, a Ana Rosa, que já tinha namorado uma galera, ainda não tinha tido uma dessas. A menina gostava mesmo da coisa, e dava tanta atenção a isso quanto dava pra chupar uma buceta. Que nem diz a música, como “acontece da gente gostar do gosto que a garota sente, quando gosta da gente”, a Ana Rosa também começou a achar a coisa interessante. Volta e meia o peito dela tava lá, vidrado na lembrança daquela pegada da vampira, daquela chupada mole, daquela mamada. Continuar lendo

2 Comentários

Arquivado em Calcinha branca